Notícias


06/10/2009 - 15h40min

Por trás da Mostra Competitiva do 22º SET Universitário

Por Greta Paz

Depois de ter passado o 22º SET Universitário, acontecimentos do evento continuam em pauta no saguão, nas salas de aula e, principalmente, no Espaço Experiência. Para os envolvidos na organização da Mostra, muitas histórias de bastidores e muitas confusões de última hora para contar.

“O que mais dificultou o nosso trabalho foi o encaminhamento direto de e-mails para o lixo eletrônico”, lembra a coordenadora da Mostra Competitiva, Maria Helena de Oliveira. Além disso, diversos outros acontecimentos inusitados ocorreram, principalmente relacionados ao julgamento dos materiais. Trabalhos foram mandados via e-mail para jurados do Rio de Janeiro e até para a casa de uma jurada que havia feito uma intervenção cirúrgica. Também foram feitos dois plantões durante finais de semana para que fosse possível a presença dos 92 jurados.

Apesar de todos os imprevistos, o SET foi mais uma vez um sucesso. Alunos de 19 universidades inscreveram trabalhos na Mostra, sendo 13 delas premiadas: ESPM, FACCAT, FEEVALE, FURB, IES SIGLO 21 (Córdoba, Argentina), IPA, PUCRS, UFRGS, UFSM, UNIPAMPA, UNISC, UNISINOS e UPF.

SERVIÇO:
Os trabalhos inscritos devem ser retirados até o dia 15 de dezembro, no Núcleo de Eventos do Espaço Experiência.
Endereço: Av. Ipiranga, 6.681 – Prédio 7 – Sala 125 – FAMECOS – POA/RS – Brasil – 90610-900
E-mail: eventosespacoexperiencia@pucrs.br
Fone: (51) 3320-3500 - ramal 4116
Horário de atendimento: de segunda a sexta, das 14h às 18h

30/9/2009 - 23h05min

Diversidade cultural pauta o encerramento do SET

Por Maurício Tomedi e Henrique Diebold
Foto: Maria Helena Sponchiado

Antes de o palestrante e os debatedores da 2ª edição do RBS Debates subirem ao palco, cenas da novela Caminho das Índias ilustraram o tema que trouxe os convidados a participarem do 22º SET Universitário: Diversidade Cultural na Produção da Dramaturgia. O diretor-geral da novela, Marcos Schetmann, o professor de Cinema da Famecos Carlos Gerbase, a gerente de produção da RBS TV e TVCOM, Alice Urbim, e a doutora em Comunicação e também professora da Famecos, Ana Carolina Escosteguy, discutiram questões estéticas e critérios de comunicação que transformaram a novela em um produto cultural massivo de grande audiência no Brasil.

Schetmann abordou o trabalho de produção que envolveu a novela, a necessidade de adaptar os diferentes aspectos da cultura indiana e a receptividade do público. O diretor, que também foi responsável por outras telenovelas, como Laços de Família, Celebridade e O Clone, afirma que foi obrigado a fazer um recorte da realidade indiana, pois um retrato fidedigno de toda a sociedade não seria possível. “Deixamos várias outras Índias de fora”, lembrou. Em contraposição, a professa Ana Carolina alertou sobre a importância da novela como produto de influência nas massas, uma vez que constrói uma identidade nacional.

O diretor da Rede Globo ressaltou que o recorte da Índia pelo qual optou expõe questões do país que são tratadas de forma diferente em relação ao modelo brasileiro, como, por exemplo, a questão do respeito pelos mais velhos. Outro critério a ser indicado pelo palestrante foi a união familiar dos indianos. Segundo ele, os membros abrem mão da privacidade para se relacionar mais.

Gerbase destacou as dificuldades de trabalhar na Índia. A grande quantidade de mão de obra necessária, a diversidade de figurino e a importância em transformar as imagens em um objeto comercial foram temas debatidos entre os palestrantes. Alice questionou a baixa receptividade da novela na região Sul em comparação ao restante do público brasileiro. Para Schetmann, os índices de audiência não apresentaram grandes oscilações entre as várias regiões do país.

30/9/2009 - 21h45min

Marcos Schechtman concede entrevista

Por Daniele Frasson e Luiz Antonio Barbará
Foto: Maria Helena Sponchiado

Na noite desta quarta-feira (30), a equipe de cobertura do 22º SET Universitário, juntamente com a RBS TV, entrevistou o diretor de telenovelas da Rede Globo, Marcos Schechtman, na sala do Espaço Experiência, na Famecos. Na ocasião, Schetmann, respondeu perguntas referentes aos seus trabalhos como as minisséries A Casa das Sete Mulheres, Amazônia - De Galvez a Chico Mendes, e as novelas O Clone, América, e a mais recente Caminho das Índias.


Indagado sobre a diversidade de culturas na dramaturgia, tema da 2º edição do RBS Debates, no qual é palestrante, Schechtman diz que o público demora para aceitar os costumes de outros lugares, mas que com o tempo, o telespectador é atraído pelas diferenças religiosas, musicais, nas tradições e vestuário.

Ainda comentou sobre a importância de personagens populares, mesmo que politicamente incorretos como a Norminha, interpretada por Dira Paes, em Caminho das Índias: “É fundamental contar histórias com personagens que estejam presentes no dia a dia do povo brasileiro”, afirma o diretor.

Sobre a inserção de merchandising social, presente atualmente nas telenovelas, onde são exibidos dramas como o uso de drogas, deficiência visual e esquizofrenia, Schechtman falou que é necessário incluir essas tramas sociais em contextos de romances e conflitos para que não se perca a característica do folhetim.

30/9/2009 - 21h35min

Reconhecimento do trabalho é recebido com euforia por escolhidos

Por Júlia Preis

Após a performance singular do grupo musical Arthur de Faria & Seu Conjunto, aconteceu nesta quarta-feira, dia 30, a cerimônia de encerramento do 22º SET Universitário. Além do agradecimento aos 23 professores e quase 90 alunos envolvidos nos três dias de evento, foi realizada a premiação da Mostra Competitiva. Dentro das categorias - Produção audiovisual, cinema e vídeo, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda e Jornalismo - foram premiados 49 trabalhos.

Escolhidos por um júri composto de 97 profissionais da área de comunicação, os vencedores receberam seus prêmios com tanta empolgação que houve até lágrimas no teatro do prédio 40 da PUCRS. Estudantes de universidades como UFRGS, Unisinos, Unisc e IPA, além da PUCRS, foram contemplados. Os argentinos que estiveram presentes desde o início do SET, sempre muito animados, também fizeram parte da lista dos vencedores.

O professor de jornalismo da Famecos Vitor Necchi destacou a importância de premiações como as do SET: “O objetivo principal da Mostra Competitiva não é a disputa em si, mas evidenciar o talento dos alunos”.

Confira a relação completa dos ganhadores.

30/09/2009 - 21h 25min

Festa regada a som e gargalhadas

Por Jeniffer Remião Caetano
Foto: Daniela Lago

Muita música, animação e risadas. Esses foram os principais ingredientes do show de Arthur de Faria e seu Conjunto, que abriu a festa de encerramento do 22º SET Universitário, nesta quarta-feira, 30. O público que ocupou as poltronas do Teatro do Prédio 40 acompanhou e interagiu com as dançantes e criativas canções e riu com as piadas do simpático vocalista.

Na primeira parte do show, com Arthur no teclado, o conjunto tocou músicas como Teco-teco amarelo em chamas e a trilha do filme Missão Impossível I que animaram a todos. Mas foi a música Pouco Pula que realmente chamou a galera para interação. Convidada pelo vocalista, a audiência deu um “pulo interior” e acompanhou a melodia com palmas e gritos.

Em um segundo momento, o cantor saiu do teclado e foi para o microfone central. Ali mostrou mais do seu carisma, conversando com o público e até ensaiando algumas dancinhas.

Para encerrar, a música uruguaia Água podrida. Mais uma vez o cantor pediu a participação do público e ele retribuiu. Com as mãos para o alto, os espectadores cantaram junto com o grupo e encerraram com chave de ouro a apresentação. 

O conjunto

O Arthur de Faria e Seu Conjunto nasceu a partir da vontade de diversos músicos de fazer um som diferente e cheio de ritmo. Sérgio Karam, Adolfo Almeida Júnior, Júlio César Rizzo, Marcão Acosta, Clóvis Boca Freire, Diego Silveira e Artur de Faria fazem parte da formação atual, que busca uma mistura de conceitos e sonoridades. O grupo faz um mix de músicas folclóricas dos países da América Latina, com jazz, música contemporânea, milongas, tangos, rock e pop e tem quatro discos lançados: Música pra Gente Grande (Núcleo Contemporâneo, 2001), Flicts (Allegro, 2007), Meu Conjunto Tem Concerto (Barulhinho, 2002) e Música pra Bater Pezinho (Yb, 2005).

Ping-Pong com Arthur de Faria

SET Universitário - Como surgiu o convite para participar do SET? 
Arthur de Faria – Foi através do Victor Necchi. Na verdade a gente já estava com um projeto de meio que invadir as faculdades para mostrar o nosso show de forma acústica. Nós queríamos mesmo começar pela Famecos e esse convite acabou sendo uma coincidência boa.

SET – E por que a ideia de começar pela Famecos?
Arthur de Faria – É que o público daqui é muito especial. Ele é interessado em invenções, inovações como todo comunicador deve ser.  Além disso, eu tenho uma ligação afetiva com a faculdade. Me formei aqui em 1988 e não passa mais que dois anos sem em eu voltar para fazer uma visita.

SET – Vocês fazem um som bem diferente. Como vocês poderiam definir ele para os novos fãs? 
Arthur de Faria – Ele é um som bom. (risos) Na verdade, cada disco nosso é muito diferente e cada um de nós tem gostos muito diferentes. Por isso, é difícil de definir um único estilo.

30/9/2009 - 21h20min

Jayme Sirotsky visita a Famecos

Por Greta Paz
Foto: Bruno Todeschini

O presidente emérito do Grupo RBS, Jayme Sirotsky, esteve na tarde desta quarta-feira, 30, na Faculdade de Comunicação Social da PUCRS e exaltou sua felicidade em apoiar e viabilizar, mais uma vez, o SET Universitário. “O evento faz parte da nossa história. O Grupo RBS está com o SET desde o seu surgimento”. Sirotsky disse ainda que a participação no evento proporciona prazer à empresa de comunicação.


Questionado sobre a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista, o presidente não discorda da decisão do Supremo Tribunal Federal. Entretanto, exaltou a existência de boas escolas de comunicação e garantiu que o Grupo RBS pretende continuar com a contratação de jornalistas diplomados.

Jayme Sirotsky falou ainda sobre um dos temas mais abordados durante o 22º SET Universitário: a interatividade nos meios digitais. Para ele, este é um recurso utilizado pelo veículo para encontrar uma maneira de viver, por exemplo, com os blogs. “Nós estamos utilizando os instrumentos novos, como mensagem e Twitter”.

A interatividade é vista por ele com muita animação por ser uma forma de democratizar a informação, que antes estava nas mãos somente dos grandes empresários. Jayme resumiu que cabe à empresa aproveitar as novas oportunidades para o enriquecimento da atividade que exerce. “Somos um organismo vivo que busca se aperfeiçoar.”

30/9/2008 - 21h12min

Oficina de Prática e Direção de Televisão traz músicos para a Famecos

Por Daniele Frasson
Foto: Bruno Todeschini

A oficina de Direção e Prática de Televisão, ministrada pelo diretor de especiais da Rede Globo Carlos Kober trouxe novidades ao 22º SET Universitário. Com o objetivo de despertar nos alunos atitude e personalidade para criar, ele propôs nesta quarta-feira, 30, último dia de gravação, uma atividade prática diferente. O diretor convidou os músicos Charles Master e João Maldonado e sugeriu aos estudantes a gravação de um programa ao vivo.

Uma proposta desafiadora, mas que despertou interesse e disposição nos participantes. Os alunos se dividiram e formaram uma verdadeira equipe de produção, retratando um programa musical. Os convidados cantaram suas músicas de sucesso. No final da atividade, todos se reuniram no estúdio para cantar com Jorge Hugo Souza Gomes, que auxiliou na realização das aulas. “A experiência e o resultado do trabalho foram fantásticos para três dias de oficina”, relata um satisfeito Kober antes de voltar para o Rio de Janeiro.

30/9/2009 - 21h08min

A música mergulha nas redes sociais

Por Tauana Saldanha
Foto: Vanessa Freitas

A oficina ministrada por Ticiano Paludo, produtor musical e professor da Famecos, abordou os impactos das novas tecnologias para quem trabalha com música e na influência destas mídias no cotidiano dos comunicadores. Ele explicou que os meios tradicionais – como o jornal e a televisão – repercutem ainda mais. No entanto é preciso adaptar-se também às redes sociais e mídias alternativas.

"Nunca se consumiu tanta música como hoje. Vive-se um tempo confuso para quem trabalha com isso. Mas consumir não significa comprar”, analisou Ticiano. Além disso, ele mostrou aos participantes de sua oficina que hoje, diferentemente da época da ditadura, qualquer um pode ser tanto emissor quanto receptor de qualquer mensagem. Os usuários das redes sociais têm aproveitado essas ferramentas colaborativas como espaços de diversão e liberdade de expressão.
As mídias sociais também são conhecidas como palco àqueles que buscam a fama. Mas Paludo vai além: “Não existe somente a vontade de ser famoso durante uns minutos, mas há o desejo de fazer parte das coisas mais do que meramente de forma pura e simples”.

Para quem ainda se assusta com o avanço tecnológico, o professor esclarece que a tecnologia não ‘faz milagres’. Para aperfeiçoar as produções musicais de hoje existem diversas técnicas à disposição dos produtores. Um exemplo é a narrativa transmidiática, que traz o fã para perto do artista através de uma série de produções paralelas ao trabalho. Outra possibilidade é a netnografia, termo usado para a aplicação da antropologia nas redes sociais. “Trabalhar o conteúdo e explorar bem as redes sociais interligadas traz um bom resultado”, aconselha.

Para o estudante de Publicidade, Rodrigo Fischman, músico tem que estar atento se quiser ter sucesso. “O Ticiano é um estudioso do assunto e é muito importante ouvir quem sabe e está no mercado”, relata o Rodrigo, satisfeito.

30/9/2009 - 20h05min

Universidade de Santa Cruz faz cobertura do SET

Por Felipe Baierle
Foto: Júlia Preis

Vanessa Kannenberg, estudante de jornalismo da UNISC acompanha desde segunda-feira o 22° SET Universitário da PUCRS. Ela veio de Santa Cruz do Sul especialmente para cobrir os eventos do SET.


“Aproveitei para participar das oficinas correndo e logo depois ia pros computadores postar as matérias”, revelou Vanessa. A estudante da UNISC disse ainda que o evento da Famecos está proporcionando uma bela experiência profissional: “aprendi a fazer as matérias rápido e tive que perder a vergonha de entrevistar as pessoas, já que não conheço ninguém daqui”.

Dentre as dezenas de atividades propostas pelo SET, a estudante destaca as palestras sobre impressos como as preferidas, “gostei da palestra do João Moreira Salles e da palestra de hoje de manhã (30) sobre jornalismo de revista”.

O trabalho de Vanessa Kannenberg pode ser encontrado no portal da A4 –Agência Experimental.

30/9/2009 - 19h55min

Alta definição na Internet

Por Rodrigo Pizolotto

O professor da Famecos André Pase começou os trabalhos na oficina Vídeo em HD para a Internet com uma apresentação em datashow, que introduziu os estudantes ao tema proposto. O ministrante, em tom de brincadeira, deixou claro aos seus "filhotes": "As celebridades vão precisar assumir a sua
verdadeira idade para o público".

Quando Pase exibiu uma parte da novela Caminho das Índias e, posteriormente, um show gravado em alta definição (os dois arquivos ficaram abertos), o computador do professor travou. "Isso dá uma ideia de como esses vídeos são pesados", disse. Ele explicou que inúmeros filmes em alta definição e shows gravados em blue ray já circulam na rede. A transmissão em HD exige um rigor muito maior na captação de imagens para não ocasionar problemas comerciais. Em jogos de futebol, por exemplo, pode acabar sendo divulgada uma propaganda gratuita se não houver cuidado.

Após a teoria, o ministrante forneceu uma câmera da PUCRS que grava em HD aos universitários. A tarefa era captar imagens no saguão. Feito o trabalho, Pase iniciou o árduo processo de edição. "O arquivo é imenso. O trabalho do editor é mais extenso e complicado. Um vídeo de apenas dois minutos nos deu muito trabalho", revelou.

A gravação foi hospedada no YouTube, a ferramenta escolhida para divulgação. "Passamos por dificuldades para produzir e editar. O trabalho de quem vai fazer o canal de interatividade com o público será ainda mais difícil", alertou o professor. Foi uma oficina de poucas horas. Mas os alunos puderam ter uma noção da diferença entre trabalhos em gravação normal e em HD.

30/9/2009 - 19h40min

Professora inova e faz gincana em oficina

Por Luana Brasil

Metrópole, tecnologia, informação, intervenções urbanas e arte locativa. Foi um pout-pourri desses elementos que Lenara Verle, artista e pesquisadora em arte e novas tecnologias, trouxe como proposta para a oficina Cidade codificada, ministrada nesta tarde na Famecos. Confira o blog criado para a oficina.

Após uma breve conversa com os alunos nas dependências da faculdade, quando Lenara falou sobre redes, Google Latitude, Google Maps, lembrando sempre a necessidade de uma discusso que proponha a regulamentação dos direitos e da privacidade na rede, a professora chamou a gurizada para brincar numa gincana.

A tarefa de cada um dos cinco grupos consistia em localizar códigos de barra escondidos tanto nas dependências da universidade, quanto no bairro Cidade Baixa. Era preciso decodificá-los e mandálos de volta para Lenara por e-mail, torpedo ou voz (usando os celulares ou telefones públicos). A equipe que encontrasse, decifrasse e enviasse mais retornos, seria a vencedora.

Ao final, todos os participantes se encontrariam com a professora em frente ao Cine Guion Center, na Nova Olaria, para que os vencedores recebessem a premiação.

30/9/2009 - 19h30min

O dono das respostas

Por Joana Weit 
Foto: Júlia Preis

Na tarde desta quarta-feira, 30, os participantes da Oficina de Introdução à continuidade para cinema e televisão tiveram a chance de conhecer melhor uma função importantíssima na produção audiovisual: o continuísta. A assistente de direção e continuísta, Janaína Fischer explicou inúmeros aspectos deste trabalho que exige muita concentração e discrição, fundamental em qualquer gravação. A oficina fez parte da programação do 22º SET Universitário.

O trabalho desse profissional é pensar no encaixe das cenas, preocupar-se com o local de determinados objetos no cenário, observar detalhes de figurino e maquiagem dos atores.  “Ele está sempre com o roteiro na mão, pois as pessoas perguntam sobre ele o tempo inteiro. O continuísta é um retentor de informação, tem tudo anotado”, revela Janaína, que trabalhou nessa função em alguns filmes, como Meu Tio Matou Um Cara e Sal de Prata.

A profissional apresentou cenas de seus trabalhos e trouxe os roteiros e anotações que utilizou durante as gravações. “O continuista faz parte da equipe dos assistentes de direção, ou seja, é desejável ter conhecimento dos roteiros de TV e cinema, bem como alguma noção de posicionamento das câmeras”, pondera. Ela comenta que é imprescindível anotar uma cena e sempre conferir todos os detalhes, pois não dá para confiar só na memória. E acrescenta: “o mais importante na profissão de continuísta é ser organizado”.

30/9/2009 - 14h25min

Hora do show

Por Henrique Diebold
Foto: Bruno Todeschini

Os momentos finais do 22º SET Universitário se aproximam. Para descontrair, a Famecos promove, nesta quarta-feira, 30 de setembro, no Bar Opinião, uma festa de encerramento. O evento contará com shows de diversas bandas e dará aos alunos uma nova chance de conferir a Banda dos Professores da faculdade.

Confira abaixo os horários da passagem de som e dos shows.

Passagens de som

Soul Addiction: 14h às 15h
Banda dos Professores: 15h às 15h30min
No News Found: 15h30min às 16h
Rádio Rock: 16h às 16h30min
Os Horácios: 16h30min às 17h
Zamba Bem: 17h às 17h30min

Shows

Zamba Bem: 23h às 23h20min
Os Horácios: 23h20min às 23h40min
Rádio Rock: 23h40min as 0h
No News Found: 0h as 0h20min
Banda dos Professores: 0h20min as 0h50min
Soul Addiction: 1h

30/9/2009 - 14h16min

“Grandes empresas têm que focar na Classe C”

Por Joana Weit
Foto: Isadora Kolecza

O publicitário e sócio-diretor do Data Popular, Renato Meirelles, ministrou a palestra Classes C, D e E: 15 tendências de um mercado de R$ 760 bilhões nesta manhã (30), no auditório do prédio 9 da PUCRS. De forma descontraída e em meio à plateia, Meirelles apresentou os prognósticos para o mercado consumidor formado pelas grandes massas, ao qual ele chamou de “Brasil de verdade”. O evento integra a programação do 22º SET Universitário.

Segundo pesquisas, 90% da população brasileira têm renda familiar de até 10 salários mínimos, e a previsão é de que o poder de compra das classes C e D aumentará em 60% nos próximos anos. Para ele, as grandes empresas precisam focar o público das classes baixas se quiserem dominar o mercado. “Devemos enxergar as pessoas que estão por trás dos números. Não tem como desenvolver estratégia de mercado sem pensar nos consumidores emergentes”, afirmou.

Meirelles destacou alguns aspectos sobre o mercado publicitário. “Propaganda boa é propaganda que vende. Se não vender, não é boa. Comunicação não é o que você fala, é o que o seu interlocutor entende”.

30/9/2009 - 12h10min

SET ganha uma boa dose de jornalismo literário

Por Henrique Diebold
Foto: Maria Helena Sponchiado

Na manhã desta quarta-feira, 30, o editor da revista Serrote e coordenador da coleção Jornalismo Literário, Matinas Suzuki Jr., esteve no Teatro do Prédio 40 para palestrar sobre jornalismo de revista. Junto com os editores Eduardo Socha, da revista Cult e Tito Montenegro, criador da revista Norte, Matinas traçou um panorama do mercado atual, comentou sobre os projetos da sua publicação e os desafios de fazer textos de qualidade no Brasil.

A revista Serrote completa um ano. Está na sua 3ª edição e tem circulação quadrimestral. Com o apoio do Instituto Moreira Salles, a Serrote tem a possibilidade de abordar temas sem se preocupar com espaços publicitários e vendas. “Um privilégio”, exalta Suzuki. Mesmo com essa incomum facilidade de publicação, Suzuki acredita que “o mercado tem brechas para projetos de qualidade e para o não-conformismo com a situação atual que nos é oferecida pelos veículos impressos”.

O editor afirma que a Serrote nasceu para o papel, mas que ela também estará na Internet, pois não é necessário evitar as novas mídias. Entretanto, Suzuki confia que o público da revista se manterá fiel ao papel.

Questionado sobre o sucesso da coleção Jornalismo Literário, Suzuki discorda que o leitor procura nos livros o que falta no jornal impresso ou na Internet. Para ele, os livros surgem para uma camada da população que não tinha, no mercado nacional, publicações literárias como a revista americana New Yorker. Suzuki ainda lamenta a falta de escritores nacionais sobre jornalismo literário, permitindo a estrangeiros a maior parte da autoria da coleção. A palestra da qual Suzuki participou fez parte da programação do 22º SET Universitário e foi mediada pelo professor da Famecos Antonio Hohlfeldt. 

30/9/2009 - 11h55min

Irreverência no encerramento do 22º SET Universitário

Por Greta Paz

A banda Arthur de Faria & Seu Conjunto, que fará o show de encerramento do 22º SET Universitário nesta quarta-feira, 30, às 18h, já está empolgada para subir ao palco do Teatro do Prédio 40. “É a primeira vez que toco para o pessoal da Famecos. Sempre me senti ligado a esta faculdade. Vai ser uma viagem”, comenta o estudante formado em Jornalismo na Faculdade de Comunicação Social da PUC, Arthur de Faria. O integrante do grupo ainda acrescentou que antes de receber o convite para participar do evento, a banda pensava em comparecer ao SET para fazer um som surpresa para os estudantes.

30/9/2009 - 11h50min

O espaço da cultura nas revistas brasileiras

Por Camila Soares
Foto: Maria Helena Sponchiado

O SET Universitário recebeu na manhã  dessa quarta-feira, 30, a presença de três convidados que tiveram a missão de debater o tema Jornalismo de Revista – crítica, ensaio e cultura. Eduardo Socha, editor de filosofia da revista Cult, Matinas Suzuki, editor da revista Serrote e Tito Montenegro, criador da revista Norte, expuseram suas ideias a respeito do assunto durante duas horas. A mediação do evento realizado no Teatro do Prédio 40, ficou por conta do professor da Famecos Antonio Hohlfeldt.

O evento teve início com a participação de Eduardo Socha, que falou sobre o maior espaço dedicado pelas revistas à abordagem de temas ligados às ciências humanas. Segundo ele, o jornalismo cultural não deve se esquivar desse tipo de assunto, embora eles possam, muitas vezes, não ser considerados conteúdos de fácil assimilação. “Não vejo problema em publicar um texto que exija uma segunda leitura”, explicou.

Matinas Suzuki, responsável pela coleção Jornalismo Literário da Companhia das Letras, destacou seu interesse pelos temas nos quais o jornalismo pode fazer fronteira com outros campos do conhecimento. A revista Serrote, especializada em ensaios, é um exemplo disso. “Os ensaios são um lugar onde o jornalismo pode encontrar a literatura e a filosofia”, afirmou Matinas.

O último convidado a falar foi Tito Montenegro, que expôs as provocações que serviram como base para a revista Norte. De acordo com ele, a publicação não pretende ser uma revista apenas regional. Prefere ser a menor revista brasileira do que a maior revista gaúcha. “Encarar a cultura com limitações regionais é como se diminuir”, comparou Tito. Além disso, a revista busca abordar a cultura de uma forma diferente de qualquer outra publicação do Rio Grande do Sul.

Por fim, o público teve a oportunidade de fazer suas próprias perguntas para os convidados. Entre os assuntos abordados estiveram a utilização de técnicas literárias no jornalismo diário e a escassez de um jornalismo literário nacional e de qualidade.

30/9/2009 - 11h40min

Comunicação e relacionamento: uma experiência argentina

Por Jeniffer Remião Caetano
Foto: Lívia Auler

A importância e as diferenças do trabalho das relações públicas dentro das empresas de médio porte foram assuntos discutidos na palestra Comunicação e relacionamento como ferramentas de gestão: experiência de uma equipe de trabalho com pequenas e médias empresas. Ministrado por Miguel Cavatorta, diretor de Relações Públicas e Institucionais do Colégio Universitário IES Siglo 21, de Córdoba, e mediado pela professora da Famecos Cleusa Scroferneker, o encontro apresentou um estudo de caso do trabalho realizado pelo professor e sua equipe na instituição argentina.

Cavatorta abriu a apresentação no Auditório da Famecos, na manhã desta quarta-feira, 30, com um vídeo sobre a cidade do interior argentino. Através de slides, abordou o surgimento do projeto de RRPP no IES e o cenário dessa área de atuação no país. O professor destacou a importância do trabalho realizado internamente. “Passamos muito tempo dentro dos nossos empregos. Essa convivência diária gera valores que são levados para a sociedade. Por isso, o maior poder da empresa não é econômico, ele é cultural”, afirmou.


A equipe do IES, formada por profissionais da área de comunicação, web e desenho gráfico, realiza trabalhos para prevenção de problemas, identificação de grupos e alianças, relacionamento com a imprensa, entre outros. Além disso, são produzidas ações que geram acontecimentos noticiáveis como cursos de extensão, eventos internos e visitação de pessoas ilustres.

No entanto, o grande destaque da palestra foi o conceito e a importância de público, sua diversidade e suas características comuns. “O público é como esse auditório. Alguns de um curso, outros de outros. Uns acordados, outros dormindo. Uns falam espanhol,outros português. Todos muito diferentes, mas todos atentos, interessados, exigentes”, comparou Miguel. Segundo ele, um dos grandes desafios de todas as organizações, de pequeno ou grande porte, é ouvir seu público e falar no mesmo idioma dele.

29/9/2009 - 23h08min

RBS Debates encerra a série de palestras do 22º SET

Por Daniele Frasson

As atividades do 22º SET Universitário, da Famecos, se encerram nesta quarta-feira, 30, com a segunda edição do RBS Debates. O encontro, que proporciona aos estudantes de Comunicação uma troca de experiências com profissionais da área, ocorre no teatro do Prédio 40, da PUCRS, a partir das 20h.

O debate tem como tema a diversidade cultural na produção da dramaturgia e contará com a presença do diretor da novela Caminho das Índias, Marcos Schetmann, do cineasta e professor da Famecos Carlos Gerbase, da professora da Famecos Ana Carolina Escosteguy e da gerente de produção da RBSTV e TVCOM, Alice Urbim.

29/9/2009 - 23h05min

Palestra sobre Web 2.0 revela tendências da comunicação

Por Felipe Baierle
Foto: Mariana Fontoura

"As empresas devem participar (nas mídias sociais) como se fossem pessoas”. Foi o que disse o diretor da Dialeto Social Media, Bruno Alves, na palestra Web 2.0 e marketing nas mídias sociais, evento promovido pelo 22° SET Universitário da PUCRS.


A palestra do diretor para novos negócios da Dialeto, empresa especializada em assessoria de comunicação e marketing em redes sociais na Internet, demonstrou que comunicar nos próximos dez anos será tarefa para especialistas, já que a concorrência está crescendo.

"Pessoas que antes não tinham acesso a canais de comunicação massivos hoje têm a possibilidade de se transformarem em famosos rapidamente, de trazer as coisas que gostam dos seus produtos mais para perto. O que exigia muito investimento, hoje exige muita criatividade”, atestou Alves.

As novas mídias como Orkut, Flickr, Twitter, Facebook, blogs e vlogs permitem que a segmentação de públicos cresça vertiginosamente e, por isso, comunicar no século XXI é muito mais complexo do que parece. O motivo é simples: se existem mais meios de comunicação, também existe uma exigência maior de especialização para trabalhar neles.

"A gente tem hoje não uma nova assessoria de imprensa, mas uma assessoria de imprensa 2.0. Além disso, nós temos também oportunidade para trabalhar a publicidade dentro dessa nova mídia.” As mídias sociais podem ser utilizadas para o benefício – ou não – de empresas e organizações. Para observar e intervir nessas questões é que se podem utilizar as novas ferramentas.

"Se o seu produto é bom, vá para a mídia social. Se o seu produto é ruim, faça propaganda. Isso quer dizer que as pessoas vão falar do seu produto na mídia social e, elas vão falar bem ou vão falar mal. É um direito delas”, concluiu Bruno Alves.

29/9/2009 - 23h00min

SET discute mercado cinematográfico de gênero

Por Karine Tavares
Fotos: Camila Cunha

O roteirista e diretor cinematográfico Dennison Ramalho começou sua palestra na 22ª edição do SET Universitário surpreendendo. Logo de saída, rodou o curta-metragem Amor só de mãe, escrito e produzido por ele em 2002. Com a mediação do professor da Famecos e cineasta Fabiano de Souza, Ramalho partiu para o tema principal de sua abordagem: Audiovisual: mercado, segmentação, autoria e contemporaneidade.

Mas para quem pensa que o foco era só em cinema, está muito enganado. Ramalho considerou que a televisão tem grande participação e influência perante o seu público. O perfil de quem assiste às produções brasileiras nas salas espalhadas pelo país é ligado às telenovelas. “A comédia e o melodrama, por exemplo, são terrenos que a TV brasileira desbravou bem, e tem uma boa resposta”, enfatiza o cineasta ao falar sobre os gêneros que foram solidificados no país. “Os outros têm uma inserção meio tímida, sem muito compromisso”, completa.

Hoje, o cinema do país não tem preocupação em exaltar apenas um gênero. Ele integra vários tipos em um só. Um exemplo é “Cidade de Deus”, que une o drama, o policial e a ação, mas não assume nenhum deles. “O conceito de filme brasileiro se consolidou como uma identificação. Nas locadoras, ele passa a ser uma procedência, e não um gênero em si”, constata, ao relacionar as divisões nas prateleiras. “Uma vez perguntei para um balconista porque o filme do Zé do Caixão não estava junto com os de terror. Ele me falou que era porque se encaixava com os brasileiros”, lembra.

Segundo Ramalho, o gênero é importante para que se possa conhecer o perfil de quem assiste. Além da comédia e do melodrama, o que surge nos últimos anos é o interesse por produções bíblicas e espíritas.  “Podem escrever o que digo: a cinematografia do filme sobre a vida do Chico Xavier, que será lançado ano que vem, será um estrondo”, comenta, bem-humorado.

Para ilustrar o conceito de filme com o qual o cineasta gosta muito de trabalhar, ele rodou para a plateia oito minutos do filme “Encarnação do demônio”, escrito por José Mojica Marins, o Zé do Caixão, do qual ele foi roteirista e assistente de direção. Para finalizar, o público que lotou o auditório do prédio 11, interagiu fazendo perguntas e tirando dúvidas.

29/9/2009 - 22h35min

Empolgação de palestrante anima a plateia

Por Júlia Preis

O publicitário e pós-graduado em marketing estratégico Luciano Kunzler ministrou, nesta terça-feira, 29, a palestra As muitas caras do público interno: como pensar em comunicação interna para todas elas? Para se sentir mais à vontade, preferiu ficar em pé, estilo inovador dentro da programação do 22º SET Universitário. Estrategista e redator da agência Happy House, primeira especializada em endomarketing no país, no final estava tão à vontade que até dançou ao som de um dos jingles produzido pela empresa. A descontração arrancou risadas da platéia que lotou o auditório do prédio 9, formada majoritariamente por alunos de relações públicas, incluindo argentinos vindos de Córdoba, que acompanham os três dias do evento.   

A explanação começou com a apresentação de conceitos sobre comunicação interna, focando principalmente a problemática da cara deste público. O tema, aliás, é slogan do SET este ano. “A proposta da palestra não é conclusiva, mas levantar questões”, instigou Kunzler. Ele também mostrou dilemas e paradigmas que surgiram com a era digital e não param de crescer, como o caráter multidisciplinar do endomarketing, as exigências de inovação e a difusão dos meios de comunicação.

Em seguida, o ex-aluno da Famecos passou para a parte mais legal, conforme ele mesmo afirmou: as peças realizadas pela Happy. Pensadas para diferentes públicos, divididas principalmente entre liderança e funcionários, as campanhas são recentes. Algumas finalizadas nesta terça-feira. “Se criatividade é a principal ferramenta de trabalho, já que nesse meio há possibilidade de invenção de diferentes mídias, o dia-a-dia também é desafiador”, afirmou empolgado o publicitário.  

29/9/2009 - 21h45min

Rock and Roll no saguão

Por Vinícius Fernandes e Greta Paz
Fotos: Bruno Todeschini

Foi uma noite inusitada. O palco montado no saguão da Famecos para abrigar atividades recreativas durante o 22º SET Universitário foi ocupado por professores da Comunicação Social, nesta terça-feira, 29. Eles foram chegando aos poucos. Primeiro, Ticiano Paludo pegou a guitarra. Elson Sempé, o saxofone. Alberto Raguenet, o baixo. Acompanhados do técnico em áudio, Zé Carlos Andrade, e de músicos do Bar Opinião, tocaram os primeiros acordes. O show, no entanto, só começou com a chegada do vocalista, tecladista e professor Sérgio Stosch. O frio que já se anunciava no prédio 7 foi aplacado com o calor do rock’n’roll comandado por Stosch.

Com um repertório que incluiu Beatles e Elvis Presley, o grupo levantou a plateia de estudantes e professores e chamou a atenção de quem passava pelo prédio 7 da PUC. Se para os alunos o show foi uma surpresa, para Stosch, a apresentação foi mais uma experiência. “Eu estou mais tempo no teclado do que atuando como professor. O teclado eu já aprendi há muito tempo”.
Na segunda parte da apresentação da Banda dos Professores da Famecos – que, aliás, voltam ao palco na noite desta quarta-feira, 30, na festa de encerramento do SET, no Bar Opinião – a bateria foi ocupada pelo professor Carlos Gerbase. Com animação de roqueiro, Gerbase tocou músicas do seu antigo grupo, Os Replicantes.


Depois do show, o professor Fábian Chelkanoff destacou a importância de momentos de interação entre alunos e professores como o de hoje. “O que os professores fizeram hoje foi mostrar que comunicação não se aprende apenas em sala de aula. Em comunicação tudo é possível”.

29/9/2009 - 20h55min

Relações Públicas na gestão empresarial

Por Daniele Frasson
Foto: Felipe Dalla Valle

Ministrada na tarde desta terça-feira, 29, pelo relações públicas formado na Famecos e sócio-diretor da Agência Palco, Rodrigo G. Figueiredo, a oficina Relações Públicas na gestão empresarial – uma abordagem prática ofereceu dinâmicas e projetos para entender melhor a gestão de um negócio.


De uma maneira descontraída, Figueiredo mostrou aos alunos como é a realidade do mercado, as exigências e como as empresas de comunicação devem atender suas necessidades. Segundo ele, gestão nada mais é do que pensar.

29/9/2009 - 20h45min

Kober estimula criatividade dos alunos em oficina

Por Maurício K. Tomedi
Foto: Bruno Todeschini

O diretor de especiais da Rede Globo, Carlos Alberto de Vargas Kober, 49 anos, é o ministrante da oficina de Direção e Prática em televisão, que termina nesta quarta-feira, 30 de setembro. Formado em Jornalismo e em Publicidade e Propaganda pela Famecos, Kober critica a falta de liberdade dos canais em reinventarem-se. Na 22ª edição do SET Universitário, seu principal objetivo é ensinar aos alunos a criar novos programas e, sobretudo, alternativas culturais para a TV.

Carlos Kober foi o responsável pela direção do Domingão do Faustão durante oito anos. Nesse período, pôs em prática todo o conhecimento que aprendeu sobre a relação entre público e conteúdo no tempo em que estudou na Famecos. “Essa questão é muito relevante. É necessário se perguntar para quem se está transmitindo aquela informação. O programa do Faustão, por exemplo, foi feito para as classes C, D e E, cujas famílias não possuem condições financeiras para sair de casa nos finais de semana”.


A ausência de liberdade e de permissividade é o que mais preocupa o diretor de especiais da Globo e seu companheiro, Jorge Hugo Souza Gomes, que o auxilia na realização da oficina. Kober analisa que a predisposição que existia para criar novos programas com conteúdos diferentes cedeu espaço para o moroso e pragmático estilo que tende a reproduzir programas televisivos bem-sucedidos fora do Brasil. Kober e Jorge Hugo se valem do RBS Revista, um quadro pioneiro desenvolvido por eles que, anos mais tarde, inspiraria o Vídeo Show, como fundamento para seus argumentos. Hoje, no entanto, o diretor afirma que “o Brasil importa muita arte e exporta pouca”. Ambos admiram a forma com a qual Regina Casé desenvolve suas matérias. Ela trabalha para uma produtora independente, a Pindorama, que vende suas produções ao Fantástico.

Outro alvo das críticas de Carlos Kober e Jorge Hugo é o deficitário ambiente cultural gaúcho que, apesar de ser uma região que origina bons produtos e possui um grande público consumidor, não recebe um investimento adequado por parte dos patrocinadores. Jorge Hugo ainda vê uma esperança de renovação cultural a partir das produções teatrais que, segundo ele, infringem esses padrões introduzidos pela indústria cultural.

Carlos Kober foi um dos criadores do SET Universitário, em 1988, ainda quando fazia parte do corpo docente da Faculdade de Comunicação Social da PUCRS. Antes de partir para o Rio de Janeiro, onde ingressou na Rede Globo, trabalhou como diretor artístico do Jornal do Almoço, na RBS TV, e diretor-geral da TV Cultura, em São Paulo. A oficina do diretor reúne 30 alunos dispostos a trabalhar na TV. No último SET, Kober fez a palestra de encerramento.

29/9/2009 - 19h05min

Bandas na expectativa para o show de encerramento

 Por Rodrigo Pizolotto

 Se depender da expectativa das bandas, a festa de encerramento do 22º Set Universitário será um sucesso. Representadas por seus vocalistas, a Zamba Ben, Os Horácios e a Rádio Rock concederam entrevista coletiva nesta terça-feira, 29, na Famecos.  Os guris deram uma palhinha de como serão  os shows amanhã, que começam a partir das 22h, no Bar Opinião.

Leandro Rosa, Alan Reis, Anderson Moreira, Wagner Kraemer e João Vitor Rosa são os intergrantes da Zamba Ben. O conjunto existe há três anos. “Por ser um evento mais voltado para o rock, nossa banda nunca tinha entrado no SET. Neste ano, com o nosso groovin, queremos fazer um ótimo show. Será uma grande festa”, diz Leandro, aluno de Relações Públicas da PUCRS.

Os Horácios é composta por Tiago “Horácio” Lopes, Rodrigo Stivanin, Rodrigo Borba, Taner Pereira e Paulo Zviezynski. Na estrada do rock há sete anos, os caras estão ansiosos para mostrar o seu som. “É um prazer muito grande tocar no Opinião pela Famecos. Como é o meu último ano aqui na PUCRS, pretendo convidar muitos amigos”, afirma Tiago, estudante de Publicidade e Propaganda.

A Rádio Rock também deseja passar as boas energias do rock`n`roll para o público. Com um repertório baseado nos grandes sucessos dos anos 1980, Fabrício de Almeida, Márcio Garcia, Erick Perugia e Diego da Costa fazem música há três anos. “Estou me formando nesse semestre em Jornalismo. O show do SET serve vai encerrar a minha história aqui com chave de ouro”, garante Fabrício. Também tocam no Opinião nesta quarta-feira, 30, os grupos No News Found, Soul Addiction e a Banda dos Professores da Famecos.

29/9/2009 - 18h48min

Festival do Minuto divulga vencedor da Regional de Porto Alegre

Por Amanda Schnor

Entre cerca de 200 vídeos inscritos na regional de Porto Alegre do Festival do Minuto, Vitor Dilly, 26 anos, estudante de design da Feevale, foi o vencedor com a animação Cocó?. Dilly conta que foi o primeiro vídeo que enviou para o festival e explica como teve a ideia: “Eu queria condensar o filme “2001 – Uma Odisséia no Espaço” em 60 segundos. Mas levando para o lado do humor, como uma sátira”, explica ele. Assista ao curta: 

O Festival do Minuto se iniciou no Brasil em 1991, mas só em 1997 assumiu o formato que tem hoje. Todos os vídeos são enviados através da Internet e pré-selecionados por curadores juniores. A única limitação é o tempo, que deve ser de um minuto. “Recebemos milhares de vídeos a cada edição. Esses curadores espalhados pelo país são responsáveis por filtrar os vídeos. São avaliadas questões como pirataria de música ou imagens e o tempo”, explica Laura Machado, curadora junior do Festival.

Depois de passarem por esse filtro, os vídeos são encaminhados aos curadores, especialistas em cinema, que julgam a qualidade técnica e criativa determinando os vencedores de cada etapa.  Revelador de talentos, o Festival do Minuto já recebeu vídeos de cineastas hoje conhecidos como Fernando Meirelles e Beto Brant.  A final deste ano acontece dia 2 de novembro, em São Paulo. Serão distribuídos R$ 20 mil em prêmios para os vencedores.  

29/9/2009 - 18h40min

Fotografia: pensando e vendo com as objetivas

Por Greta Paz
Foto: Mariana Fontoura

Uma imersão no mundo da fotografia. Este foi o objetivo da oficina ministrada pelo professor da Famecos Elson Sempé, que hoje, 29, explicou para os alunos não só como utilizar as objetivas, mas também ressaltou a importância de pensar no que se quer antes de tirar a foto. “Devemos saber o que queremos antes de escolher o equipamento”, explica Sempé.

Na sala de fotojornalismo da Famecos estavam presentes estudantes, principalmente do primeiro e segundo semestre de Jornalismo, empolgados em adquirir conhecimento sobre as técnicas fotográficas. Júlia Zambom, 18 anos, comentou: “Estou aprendendo bastante, a explicação do Sempé ajuda muito”.

Para a oficina, foi solicitado que os inscritos trouxessem suas câmeras e imagens para serem analisadas. Os participantes estavam ansiosos e, conforme chegavam, tiravam suas câmeras da mochila e preparavam-se para produzir. “Calma, ainda temos uma conversa”, disse o ministrante, querendo passar a explicação técnica. Apesar da parte teórica , houve muita prática. Fotos foram tiradas na hora para que os alunos entendessem o que era passado pelo professor. “Aproveitei muito a oficina”, comentou Gabriel Palma, estudante de Jornalismo, acrescentando que passou a ter mais interesse em fotografar.

29/9/2009 - 18h35min

Logomarca e comunicação

por Jeniffer Remião Caetano
Foto: Jonatan Heckler

Um mundo que une animação, cinema e comunicação. Esse foi o assunto tratado na oficina de Animação de Logomarcas, ministrada pelo professor Roberto Tietzmann. Usando exemplos práticos, ele mostrou a importância da apresentação, da composição e, principalmente, do movimento na formação das marcas. Com a presença de 23 alunos, a oficina foi transmitida também via internet, com áudio e lâminas disponíveis online.

Através de apresentação de slides, Tietzmann iniciou falando sobre os conceitos de logos e infográficos. Dando como exemplo a IBM e a Coca-Cola, ele definiu o primeiro como aquilo que representa a marca de uma empresa ou corporação, algo que é facilmente reconhecido e lembrado pelo público. Já o segundo serve para traduzir de forma clara uma determinada informação. Ambos têm a função de chamar atenção e serem marcantes, mesmo sem movimento.

No entanto, é através do vídeo que se consegue atenção do público por um maior tempo. Neste quesito, o ministrante destacou as animações da História do Sapato, produzida para a Discovery Channel, e o videoclipe da banda Röyksopp, Remind Me, baseado em infográficos comuns no meio jornalístico.

Segundo Tietzmann, essa é uma área com um bom campo de atuação, já que é crescente a quantidade de meios onde pode-se transmitir imagens em movimento. “É cada vez mais necessário um profissional qualificado na área. Profissionais de Comunicação em geral e até de Arquitetura têm se interessado no setor”, afirma.

Para ajudar os alunos, o professor citou seis passos para construir um logo animado:
apresentar o logo, construir o logo, recombinar elementos, desmanchar o logo, adicionar ação e adicionar ação antropomórfica. Por fim, foram respondidas as dúvidas do grupo e sugeridos os melhores programas para trabalhar no setor.

“Logotipo é uma área que me interessa e é bem difícil de conseguir essa prática na faculdade. Aqui eu consigo isso.” ressalta Kandice Quintian, aluna de Publicidade e Propaganda, da PUCRS.

29/9/2009 - 18h30min

Duas tardes de escrita e criatividade

Por Greta Paz

Depois de dois dias de aula, se encerrou hoje, 29, a oficina de Escrita Criativa, ministrada pelo escritor e tradutor Pedro Gonzaga.  Em duas tardes, os inscritos puderam compreender melhor o mundo da Literatura e o processo de criação de uma história ficcional. “É preciso deixar que os personagens vivam”, comentou o ministrante sobre o medo que muitos têm de errar na hora de escrever.

 Gonzaga também disse ter gostado bastante do momento que passou com estudantes de Comunicação Social e que encontrou um público muito disposto a pensar em Literatura em um local que muitas vezes está distante dela. “Se me convidarem no ano que vem, estarei aqui novamente”.

29/9/2009 - 18h20min

Quando a comunicação faz toda a diferença

Por Júlia Preis

“Vocês podem interromper, senão o papo fica meio chato”. Esse foi o início do discurso de Jânio Ayres, um dos ministrantes da oficina Assessoria de comunicação em órgãos governamentais. A conversa descontraída, que ocorreu na tarde desta terça-feira, 29, dentro da programação do 22º SET Universitário, foi baseada na Trensurb, um exemplo concreto da importância de uma comunicação bem estruturada.

Uma das consequências positivas dessa organização foi o resultado de recente pesquisa demonstrando que, apesar de pública, a Trensurb é considerada honesta por quase 100% dos usuários. Formado em jornalismo, Ayres foi responsável pelo atual projeto de comunicação da empresa, decorrente do seu trabalho de pós-graduação em comunicação integrada.

A importância de a comunicação estar ligada à presidência, tanto no organograma quanto fisicamente, foi destacada. “E mesmo assim, acontece de eles nos esquecerem. A gente tem que estar ligado”, aconselha o gerente de comunicação.

Entre encartes, jornal mural e até  mensagens no verso dos tíquetes de metrô, a relação com o público nunca é deixada de lado. Segundo Antônio Oliveira, jornalista formado pela primeira turma da Famecos, em 1970, e assessor de imprensa da Trensurb, esta relação é de transparência total.

Se as licitações e o financeiro podem parecer empecilhos para empresas públicas, a criatividade é fundamental para a criação de novas parcerias. Informações práticas, como problemas técnicos e horários de trem são essenciais, mas atividades extra-operacionais, segundo eles, são destaque dentro da estratégia de aproximação com os diversos públicos.

A valorização do funcionário também foi ponto salientado por Ayres, que usou como exemplo a iniciativa inédita Sexta Curta. De acordo com ele, as projeções dos filmes são feitas em pleno horário de expediente, buscando incentivar culturalmente o trabalhador.

O bom relacionamento com a mídia e outras organizações gerou curiosidade entre os alunos participantes. O diálogo constante com a associação que dá auxílio àquelas pessoas com tendência ao suicídio, por exemplo, tem papel fundamental, já que, conforme eles, o número deste tipo de ocorrência nas estações é significativo. A mensuração de resultados, assunto atual nas cadeiras de assessoria, muitas vezes visto com receio pelos alunos de Comunicação, foi mostrada como indispensável.

29/9/2009 - 18h16min

Tarde criativa na Famecos

Por Vinícius Fernandes

O que faz alguém criativo? É esse questionamento que muitas pessoas fazem e muitas vezes não encontram respostas. Há uma mistificação em torno das pessoas criativas, como se elas simplesmente tivessem nascido assim. A máxima é negada pela professora da Famecos Luciana Braun, que ministrou a Oficina de Idéia Criatividade hoje, 29, à tarde na faculdade.

“A oficina visa primeiramente acabar com a percepção que a criação é algo involuntário ou é uma graça, um dom. Na verdade, é um processo, um raciocínio que se faz e, em torno disso, existem várias técnicas”.

Técnicas essas que a professora conceituou durante toda oficina. Segundo ela, para ser criativo é necessário estar sempre praticando exercícios mentais, se relacionando com as artes, as pessoas e principalmente relacionar idéias. Para executar este último, Luciana fez um exercício com os alunos, solicitando que eles citassem palavras que lembrassem chocolate e pimenta. Depois de uma série de palavras ditas pelos participantes da oficina, estes se reuniram em grupos e criaram uma propaganda publicitária que depois foi apresentada para o restante da turma.

Depois das apresentações, a oficina se encerrou com grande aprovação dos alunos que gostaram da maneira interativa e prática com que a professora ministrou o encontro. “A oficina me pareceu muito interessante, temos que ser o mais criativos que podemos e quando pensamos mais conseguimos isto”, disse Victoria Gordillo estudante de Relações Públicas, que integra uma delegação da cidade argentina de Córdoba.

“Eu gostei muito dos exemplos de publicidade, que na Argentina não chegam. Tivemos muita informação sobre criatividade”, relatou David Barrionuevo, que também estuda Relações Públicas em Córdoba.

29/9/2009 - 18h12min

Banda dos Professores promete um grande show hoje à noite

Por Felipe Baierle

A Banda dos Professores está prestes a entrar no palco do 22° SET Universitário. O show, marcado para as 18h20 vai demonstrar todo o talento de Carlos Gerbase, professor de Produção Audio Visual, Elson Sempé, Jornalismo, Zé Carlos Andrade, técnico em áudio, Ticiano Paludo, Publicidade e Propaganda e Alberto Raguenet.

“A gente ficou naquela enrolação, ‘vamos fazer, não vamos fazer’ e o Zé, que é o nosso operador de áudio, botou pilha. Dependendo do show de hoje o mundo vai ser pequeno para a gente.”

Para o espetáculo, que terá duração de aproximadamente uma hora, os professores estão prometendo uma surpresa. Quem estiver na Famecos, não perca.

29/9/2009 - 18h07min

Sotaque gringo no SET

Por Henrique Diebold

Alunos do Colegio Universitario IES Sligo 21, de Córdoba, Argentina, circulam pela Famecos. Uma delegação de duas dezenas de estudantes de Relações Públicas, mais a diretora do curso, María Santucho, assistiram às palestras e oficinas do 22º SET Universitário.

María aponta a palestra de Ana Vilela, gestora da casa Fiat de Cultura, como uma de suas favoritas. “Gostamos dos recursos visuais e das explicações”, destaca. Os estudantes Belén Calero, 21, David Barrionuevo, 20, e Victoria Gordillo, 21, participaram da oficina de criatividade, ministrada pela professora da Famecos Luciana Braun. “A oficina é um bom momento de pensar e nos aperfeiçoar”, reflete Victoria. Os argentinos têm, ainda, cinco trabalhos inscritos na Mostra Competitiva.

Em Porto Alegre desde o dia 26 de setembro, os estrangeiros aproveitaram para conhecer a cidade. Não podia faltar uma visita ao Mercado Público e um passeio pelo Ônibus de Turismo. O grupo, que participará dos três dias do SET Universitário, lamenta a falta de tempo para visitar outros locais, como o Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS.

29/9/2009 - 17h59min

Cartoon para se expressar

Por Pedro Palaoro
Foto: Débora Backes

Detalhamento de métodos de desenho, digitalização e armazenamento de material foram algumas das atividades e temas abordados pelo cartunista Alexandre Oliveira na oficina Técnicas de cartoon para quem quer se expressar. Na primeira aula, Oliveira, que é cartunista do Diário Gaúcho, explicou como se dá o processo criativo e técnicas de vetorização e acabamento de desenhos. O curso se encerra nesta quarta-feira, 30.

Oliveira mostrou vários de seus trabalhos, entre eles alguns produzidos à mão, outros feitos totalmente pelo computador, além de alguns elaborados unindo vários métodos. Para Oliveira, é importante que as técnicas sejam misturadas para que os resultados sejam mais fiéis à mensagem que se quer passar.

Segundo Bruno Junges, estudante do primeiro semestre de Publicidade na Famecos, que tem a intenção de trabalhar na área de criação publicitária, a oficina está sedo muito proveitosa. Gabriela Kurtz, também aluna de Publicidade, afirmou que ela já trabalha no Espaço Experiência, sempre em função dos editores gráficos digitais e trabalhos publicitários.  

No primeiro dia da oficina, os participantes fizeram desenhos manuais e tiveram seus trabalhos escaneados. Eles ainda terão a oportunidade de concluir suas obras na segunda parte da oficina, que ocorre amanhã, 30, das 14h às 16h30min, no CICOM, no prédio 7 da PUCRS.

29/9/2009 - 17h45min

“Sentido é a palavra de ordem”

Por Rodrigo Pizolotto
Foto: Felipe Dalla Valle

Rosane Palacci Santos expõe aos alunos a temática da oficina dos sentidos, Marketing à flor da pele, com o seguinte decreto: “Em nossa oficina, sentido é a palavra de ordem”. A ministrante, professora da Famecos, pesquisadora, psicóloga e doutora em Comunicação, possibilita aos participantes explorar as diferentes sensações utilizando os cinco principais sentidos do corpo humano.

Em cada um deles, os estudantes escrevem a primeira impressão surgida, a sensação, a marca e os objetos relacionados. Entre as respostas, podem ser percebidas coisas como gelatina, açúcar, licor, baunilha, cravo etc. O fato prova a diferença de personalidade de cada pessoa. No gosto, ao invés de experimentos, é preenchido o paladar relacionado ao primeiro beijo, ao amor, sexo, à raiva, à solidão, à decepção, em uma relação entre lovemark (marca mais adorada pelo indivíduo) e hatemark (mais odiada).

Caixas com conteúdos de diferentes texturas são colocadas lado a lado para os estudantes sentirem manualmente o conteúdo, sem que possam vê-lo. Assim se dá a experiência do tato. Na visão, são vistos três vídeos que provocam sensações variadas. No olfato, diferentes aromas distribuídos em frascos são conhecidos e descritos. Finalmente, na audição, os universitários escutam distintos sons e músicas que estimulam consequências emocionais diversas. “É muito interessante as diferentes sensações. Nunca havia experimentado”, diz Julieta Galdo, uma das três estudantes argentinas presentes na oficina.

Depois de tomarem conhecimento de todos os sentidos relacionados à área de marketing, Rosane mostra uma apresentação em datashow explicando o panorama atual das marcas. “As marcas caem em imensas quantidades sobre o consumidor. O mercado está em saturação”, afirma.  Ela salienta como as empresas trabalham os sentidos com o intuito de atingir o público e obter o efeito desejado. “A partir do estímulo, a marca vai adquirindo, cada vez mais, um vínculo com as pessoas”, diz.  A ministrante finalizou a oficina com uma frase que sintetiza a pauta central abordado em aula: “Espero que vocês sintam muito”.

29/9/2009 - 14h56min

Muita música no encerramento do 22º SET Universitário

Por Greta Paz

A festa de encerramento do 22º SET Universitário que ocorre amanhã, 30, a partir das 22h, no Bar Opinião, terá a presença de cinco bandas formadas por integrantes da Famecos e da banda Soul Addiction, do Bar Opinião.

 Alunos do curso de Relações Públicas serão representados pela Zamba Ben, composta por Anderson Moreira, Alan Furtado Reis, João Vitor Rosa, Luis Leandro Rosa, Marco Antonio Pereira e Wagner Kraemer.  Já os estudantes do curso de Jornalismo Diego da Costa, Erick Perugia, Fabrício de Almeida e Marcio Garcia formam a Rádio Rock. Duas bandas dos estudantes de Publicidade e Propaganda também participarão do evento. Os Horácios, dos integrantes Rodrigo Borba, Paulo Roberto Zviezynski, Rodrigo Stivanin, Stepan Tiago Lopes e Taner Pereira, e No News Found, de Augusto Gaelzer, Eduardo Polidori, Marcel Peixoto e Ricardo Bueno

 O grande destaque da noite será a Banda dos Professores, que tem Carlos Gerbase (Produção Audiovisual), Elson Sempé (Jornalismo), Zé Carlos Andrade (técnico em áudio), Alberto Raguenet e Ticiano Paludo (Publicidade e Propaganda).

29/9/2009 - 14h34min

Oficina de Animação de Logomarcas pelo Ustream

por Maurício K. Tomedi

A oficina de Animação de Logomarcas¸ ministrada pelo professor Roberto Tietzmann de Tecnologias Audiovisuais da Famecos, será transmitida ao vivo por este canal ou abaixo:

A intenção do professor é permitir que seus alunos e seguidores no Twitter, que não consiguiram vaga na oficina devido ao limite de vagas, acompanhem a transmissão simultânea dos slides e do áudio do ministrante.

Tietzmann afirma que o modelo de repercussão online da sua oficina foi inspirado no trabalho de Steven Heller, da School of Visual Arts.

29/9/2009 - 14h19min

Festival do Minuto no 22º SET

Por Júlia Preis

Logo mais, a partir das 17h, acontece no Auditório da Famecos a final regional do Festival do Minuto. Criado em 1991 pelo cineasta brasileiro Marcelo Masagão, o atual maior festival de vídeo da América Latina analisa a capacidade de síntese dos criativos.

A cada edição, os vencedores são premiados em dinheiro pela criação de filmes de no máximo sessenta segundos de duração. Sucesso também no youtube.com, a competição que visa incentivar a produção audiovisual tem apoio do Ministério da Cultura e do Sebrae. Além disso, já teve entre seus competidores nomes como Fernando Meirelles. A apresentação dos vídeos e a divulgação dos vencedores da etapa do Rio Grande do Sul poderão ser acompanhadas através do site.

29/9/2009 - 13h48min

A evolução das mídias e o público

Por Vinícius Fernandes
Foto: Bolívar Abascal Oberto

A palestra Quem mexeu no conteúdo? Quem mexeu na minha mídia? acabou mexendo também com a plateia, que lotou o Auditório da Famecos para ouvir Leandro Gejfinbein, arquiteto de informação da globo.com. Durante cerca de uma hora e meia, o palestrante tratou de questões que inquietam grande parte dos grupos de comunicação atualmente: o público e suas preferências por meio das novas mídias.

“Hoje, a grande discussão na globo.com – e acredito que dos grandes grupos de comunicação –, é o público atual e como ele será daqui pra frente, o quanto ele ainda vai se transformar e se relacionar com a mídia”, disse Gejfinbein, formado em Publicidade e Propaganda, Design e Psicologia. Com a experiência de ser graduado em três cursos e com a vivência do mercado de trabalho, Gejfinbein conduziu a sua palestra com desenvoltura.

Para ilustrar o evento, mediado pelo professor Eduardo Pellanda, Gejfinbein usou slides com números que exemplificaram a evolução dos meios de comunicação online como o Twitter, que foi tratado de maneira especial por ele. “O Twitter é o mais importante para se falar de comunicação como produto porque ele consegue entregar a informação antes de qualquer empresa”. Twitter, Youtube, celulares e video games apareceram em sua apresentação por pelo menos 15 minutos para que o público pudesse entender realmente quem é o novo receptor e como ele se relaciona com essas mídias.

O estudante de jornalismo da Famecos Cassio Santestevan gostou da palestra, especialmente quando o assunto foi a interação das mídias com o público. “A forma como ele apresentou as novas mídias, através de gráficos, foi muito legal. Principalmente no caso do Twitter e como o seu usuário pode obter a informação antecipada”. A plateia também pode participar com perguntas. Na maioria dos casos, os questionamentos giraram em torno da rotina e das curiosidades sobre a globo.com.

29/9/2009 - 12h36min

Professor aborda mídia e legislação

Por Pedro Palaoro
Foto: Maria Helena Sponchiado

Na manhã desta terça-feira, 29, o doutor em Direito e professor da UFRGS Domingos Silveira ministrou palestra sobre os direitos humanos no meio televisivo. O evento começou às 9h, no prédio 11 da PUCRS, e foi dividida entre momentos de debate e de explanação do professor.

Silveira, que também é Procurador Regional da República e participante do grupo de trabalho dos direitos do cidadão, escreveu uma tese de doutorado com o tema Controlar Não é Censurar, colocando em pauta a relação das emissoras com a regulação judicial da mídia brasileira. Essa regulação, segundo ele, acontece costumeiramente na Europa, e isso não significa que ocorra censura, como as redes de TV do Brasil propagam. As redes de televisão criam barreiras ao afirmar que qualquer controle estatal ou de governo sobre o meio é censura.

Para finalizar, o procurador afirmou que acha importante a obrigatoriedade do diploma para jornalistas, mas em contrapartida se diz contra a obrigatoriedade do diploma de Direito, já que os concursos públicos são mal estruturados.

29/9/2009 - 12h17min

Ana Vilela divide suas experiências como gestora da Casa Fiat de Cultura

Por Clareana Kunzler Ferreira
Foto: Lívia Auler

Palestrando dentro da temática Qual é a cara do público? do 22º SET Universitário, Ana Vilela, gestora da Casa Fiat de Cultura, esteve na manhã desta terça-feira, 29, no auditório do Prédio 9 da PUCRS. Formada como jornalista e relações públicas, Ana se destaca com sua experiência em relacionamento com os diversos públicos através de estratégias culturais.

“Fazer o bem e contribuir para o desenvolvimento social, ambiental e cultural é um dever da empresa. Isso acaba gerando benefícios para a sociedade e, por consequência, melhora a reputação da marca. Trata-se de um ganho de ambos os lados”, afirmou a gestora logo no início de sua exposição, que teve uma duração de cerca de duas horas.

Para ela, as empresas buscam cada vez mais investir culturalmente porque esta ação valoriza a marca, sua reputação com a cidadania e o relacionamento. O aumento dessas iniciativas, hoje em dia, se dá devido ao fomento das Leis de Incentivo à Cultura, aliadas a uma necessidade de se diferenciar em meio ao acirramento da concorrência.

Entre os diversos assuntos abordados, Ana traçou um panorama desde o surgimento da Fiat no Brasil, há 33 anos, e todas as ações que já foram criadas ou apoiadas pela empresa. “A Fiat considera o investimento cultural como o foco principal, pois se relaciona diretamente com a educação e a cidadania”, sentencia.

Por isso, desde os anos 70, houve um fomento da música, da dança e das publicações, também apoiando restaurações de patrimônios em Minas Gerais. Na década de 80, houve a criação do show de talentos “Concorrência Fiat”, um espaço onde muitos artistas puderam iniciar suas carreiras. Em 1990, a empresa voltou-se para a educação e o ensino, produzindo concursos culturais entre as escolas. Por fim, em 2006, foi aberto o Centro Cultural em Minas Gerais.

O trabalho da Casa Fiat de Cultura inclui oito exposições em três anos, contando com mais de 300 mil visitantes e 70 mil no programa educativo. Esta proposta oferece ônibus gratuito para as escolas, material didático que será aproveitado em aula e visitas orientadas. “Esse tipo de visitação é bem diferente da que é ‘guiada”, onde um monitor leva os visitantes para um passeio, sempre com o mesmo discurso. Nós temos educadores, formados em História da Arte ou Design, que proporcionam uma experiência diferente para cada tipo de público”, relata.

Além do destaque para toda a programação que esteve em exposição, Ana mostrou o trabalho realizado com deficientes visuais e outros portadores de necessidades especiais e a doação feita após as mostras de todo o material utilizado, que é reciclado ou reaproveitado por ONGs.

29/9/2009 - 10h49min

Arthur de Faria & Seu Conjunto no encerramento do 22º SET

Por Greta Paz
Foto: Divulgação

A banda Arthur de Faria & Seu Conjunto faz o show de encerramento do 22º SET Universitário. A apresentação ocorre a partir das 18h desta quarta-feira, 30, antes da entrega dos certificados para os vencedores da Mostra Competitiva, no Prédio 40.

Com 15 anos de carreira e quatro discos lançados – um deles também na Argentina e no Uruguai –, Arthur de Faria & Seu Conjunto busca elementos essenciais do leste europeu para compor seu repertório. Tocam desde milongas balcânicas até tangos politonais, boleros com nostalgia dos Anos Dourados, polkas centenárias e blues em forma-sonata.

A banda é composta por Sérgio Karam (sax), Adolfo Almeida Jr (fagote), Julio Rizzo (trombone), Marcão Acosta (guitarra), Arthur de Faria (voz, piano e acordeom), Clóvis Boca Freire (baixos) e Diego Silveira (bateria e percussão)

No mesmo dia haverá outra edição do RBS Debates e a festa de encerramento no Bar Opinião, com apresentação das bandas de alunos e de professores.

29/9/2009 - 09h45min

João Daniel Tikhomiroff apresenta seu primeiro longa-metragem no RBS Debates

Por Daniele Frasson

No dia 28 de setembro, no centro de eventos da PUCRS, João Daniel Tikhomiroff, ícone da publicidade brasileira, participou da primeira edição do RBS Debates no 22º SET Universitário. Tikhomiroff apresentou o trailer do seu primeiro longa-metragem, Besouro, e comentou a relação entre fantasia e realidade, linguagem usada no filme. Segundo ele, a grande experiência que possui em direção publicitária proporcionou a realização desta grande produção que fala sobre o lendário herói da capoeira brasileira.

29/9/2009 - 09h40min

Professor da Famecos participa do RBS Debates

Por Greta Paz
Foto: Lívia Stumpf

Fabiano de Souza, professor da Famecos e cineasta, participou ontem, 28, da primeira edição do RBS Debates no 22º SET Universitário. Como representante da universidade, Souza disse que esta era uma oportunidade para conhecer pessoas que admira, como Jayme Monjardim e João Daniel Tikhomiroff. “Estou aqui para ouvir os debatedores e para fazer perguntas”, afirmou. Para Fabiano de Souza, o interessante é poder discutir como cada profissional está se relacionando com o seu público.

28/9/2009 - 22h43min

A cara do público

Por Henrique Diebold
Foto: Lívia Stumpf

“Estamos em um período de transição”. A frase, que pode ser associada a vários pensadores, é do diretor de núcleo da Rede Globo Jayme Monjardim. No ar com Viver a Vida, novela do horário nobre da emissora, Monjardim esteve na PUCRS para o RBS Debates, que faz parte da programação do 22º SET Universitário. Ele se somou ao premiado diretor de filmes publicitários e cineasta João Daniel Tikhomiroff e ao professor da Famecos e também cineasta Fabiano de Souza, para debater o tema Linguagem x Públicos: Como produzir para as massas.

A sentença de Monjardim não significa que os amantes das telenovelas precisam temer pelos próximos capítulos. “As novelas são iguais há 40 anos, a diferença é o impacto tecnológico”, afirmou. A evolução da qualidade de imagem requer um melhor tratamento nas áreas de cenografia, figurino e maquiagem, mas isso não garante sucesso de audiência. Para Monjardim, ainda é necessário um autor talentoso que produza uma história na qual as pessoas se identifiquem.

João Daniel Tikhomiroff fez coro ao diretor da Rede Globo em relação à necessidade de ouvir o público. As pesquisas são hoje uma parte importante no desenvolvimento das novelas e do conteúdo em geral. Para seu primeiro filme, Besouro, que será lançado em 30 de outubro, Tikhomiroff comentou que precisou fazer alterações pontuais após as primeiras avaliações negativas, mas que também ficou otimista com os elogios. Para Monjardim, a televisão permite uma reação muito rápida por parte do espectador, e disse que “altera a sequencia de uma trama sem pudor, se for necessário”.

Monjardim também comentou sobre a pluralidade na televisão, a escolha dos atores e ainda recebeu currículos de alguns presentes, em um momento de descontração

A produção de minisséries também foi debatida no Centro de Eventos da universidade. Questionado pelo professor da Famecos Fabiano de Souza, Monjardim comentou que elas estavam se tornando pequenas novelas, e que a tendência é menos capítulos e um tratamento mais cinematográfico. O diretor completou dizendo que contar a história de sua mãe, em Maysa: Quando fala o coração foi seu maior desafio até hoje, pois envolveu o maior desligamento possível do lado pessoal.

28/9/2009 - 22h16min

Monjardim e a interatividade nas novelas

Por Luana Brasil
Foto: Guilherme Santos

Minutos antes de entrar no Auditório do Centro de Eventos da PUCRS, no prédio 40, Jayme Monjardim, diretor de cinema, produtor de telenovelas e seriados, concedeu uma breve coletiva à equipe de imprensa do 22° SET Universitário da FAMECOS.

Às pressas, Monjardim respondeu questões sobre interatividade nas telenovelas. Em tempos de crescente desenvolvimento da tecnologia e da participação do público na programação e no conteúdo da TV, o diretor elabora a ideia de “como construir uma novela 100% interativa, em que se consiga fazer com que as pessoas tenham acesso durante a exibição e que possibilite ao público discutir com o autor os rumos dos personagens.”

As telenovelas são feitas para suprir as demandas ficcionais do público, diferentemente do cinema, que trata de propostas pessoais do autor, lembra Monjardim. Em razão desta característica, a interatividade tem importância cabal nesse tipo de narrativa.

Por fim, o diretor falou sobre a dificuldade de dirigir uma história tão dramática e próxima de sua própria vida, como na minissérie Maysa, que levou às telas a tempestuosa biografia de Maysa Matarazzo, mãe de Monjardim. “Não foi fácil, mas foi feito muito estudo. No final deu tudo certo.”

28/9/2009 - 22h10min

SET Universitário no Camarote TVCOM

Por Júlia Preis

A edição desta segunda-feira, 28, do programa Camarote TVCom foi transmitida ao vivo do saguão do prédio 40 da PUCRS. A diretora da Famecos, Mágda Cunha, conversou com a apresentadora Kátia Suman, juntamente com os organizadores da 22ª edição do SET Universitário e professores da Famecos Vitor Necchi e Fabian Chelkanoff. Carlos Kober, diretor de especiais da Rede Globo, que ministra a oficina Direção e Prática de Televisão até quarta-feira, também participou do bate-papo.

A utilização dos novos meios de comunicação na divulgação e cobertura de um evento com o porte do SET ganhou destaque no programa. “Este é o momento ‘portas abertas’ da Famecos, porque não atinge apenas alunos da unidade acadêmica”, disse Mágda Cunha. Outro tema discutido durante o Camarote TVCOM foi a convergência de mídias, que também tem grande destaque na organização e na cobertura do 22º Set Universitário. “Essa experiência serve de laboratório para os alunos”, afirmou Thier.

O professor Vitor Necchi destaca que esta edição do Set é um bom exemplo da convergência de mídias na prática. E citou a palestra de João Moreira Salles, que abriu oficialmente o evento. Durante a conversa com o editor da revista Piauí, perguntas chegaram ao auditório até pelo Twitter.

28/9/2009 - 20h06min

Opinião College diverte estudantes no saguão

Por Clareana Kunzler Ferreira
Vídeo: Felipe Baierle

Um espaço para o convívio e a descontração em meio à atmosfera de conhecimento gerada pelas palestras e oficinas do 22º SET Universitário. É isso que pode ser visto no saguão da Famecos, no Prédio 7 da PUCRS, onde está montado o palco “Opinião College”, que abriga muita diversão até quarta-feira, 30, das 9h às 22h. “O estande procura transmitir a imagem do Opinião, unindo música e socialização”, afirma Bruno Favero, estudante de Design da ESPM, que trabalha no departamento de criação da casa de shows.

Até o momento, a galera pode vivenciar partidas de tênis, boxe, golfe e baseball através do Nintendo Wii e discotecar suas playlists em uma mesa de DJ. Mas o maior destaque fica para o “Guitar Hero”, no Playstation 3, que possibilita jogar com bateria, guitarra e vocal. Giovani Giordani, estudante de 2º semestre de Publicidade e Propaganda, acredita que o espaço traduz o que é a comunicação. “Estamos todos reunidos aqui, trocando experiências. E esse também é o clima do SET”, diz.

Nesta terça-feira, 29, a partir das 18h30min, os holofotes estarão voltados para a apresentação inédita da banda dos professores da Faculdade, que promete surpreender. Na quarta-feira, o grupo que ocupará o palco ainda está sendo mantido sob sigilo, mas tudo indica que será de artistas gaúchos. Enquanto esses eventos não acontecem, não perca a chance de se divertir e aproveitar as atividades que o SET proporciona até quarta-feira.

28/9/2009 - 19h49min

Famecos será cenário do Camarote TVCOM ao vivo

Por Daniele Frasson

Na noite desta segunda-feira, 28 de setembro, às 21h, a Famecos recebe a equipe do Camarote TVCOM para a transmissão ao vivo do programa, que será realizado no prédio 40 da PUCRS. A apresentadora Kátia Suman fará um bate-papo com a professora e diretora da Famecos, Magda Cunha, o professor da Famecos e editor-chefe da Revista Norte, Vitor Necchi, o professor da Famecos e coordenador do Espaço Experiência, Fábian Chelkanoff Thier, e o diretor de Especiais da Rede Globo, Carlos Kober. O programa terá como pano de fundo a diversidade de estilos dos estudantes de comunicação.

28/9/2009 - 19h42min

Carlos Kober ministra oficina sobre Direção e Prática de Televisão

Por Daniele Frasson
Foto: Bruno Todeschini

Começou hoje, 28 de setembro, a oficina de Direção e Prática de televisão com Carlos Kober, diretor de especiais da Rede Globo, que terá duração de três dias. O minicurso, que faz parte das atividades do 22º SET Universitário, traz para os estudantes um conceito diferente de criatividade na direção. Segundo Kober, “o que faz um bom diretor é ele saber conduzir sua equipe de uma maneira criativa, inusitada e diferente.”

Formado na Famecos e entusiasmado com a ideia de participar novamente do SET, Kober promete trazer nessa oficina a desconstrução de modelos vigentes, colocando os alunos em situações práticas que exigem criatividade e atitude. Kober ainda acrescenta: “a grande carência do mercado nos dias de hoje é a criatividade”

28/9/2009 - 19h39min

“O foco, agora, é a Piauí”

Por Júlia Preis

Depois da palestra no Auditório da Famecos, João Moreira Salles falou rapidamente sobre a revista Piauí, tema principal do evento que deu abertura às atividades do 22º SET Universitário.

SET UNIVERSITÁRIO: Você disse que a Piauí nasceu de um desejo próprio de ler algo parecido com o jornalismo narrativo, em português. Você esperava encontrar tanta gente com esse mesmo desejo?
Salles: Essa era a grande dúvida, eu tinha a intuição de que havia gente querendo ler algo do tipo, órfãos deste tipo de informação. O problema era quantificar esse público. Tanto que agora temos só 35 mil leitores. É bom, mas ainda acho que pode melhorar. O público que mais cresce está nas universidades, porque as pessoas mais jovens estão mais dispostas a se deixarem surpreender e não buscam algo tão utilitário.

SET: A revista tem uma cultura informal, como você mesmo afirmou, por seguir uma liberdade editorial. Não tem colunistas nem reuniões de pauta, por exemplo. Essa liberdade traz algum aspecto negativo?
Salles:
O número ainda pequeno de leitores é um aspecto negativo. Se fizéssemos uma revista segmentada, sobre saúde da mulher, por exemplo, com certeza teríamos muito mais leitores. Mas este não é nosso objetivo.

SET: Algum projeto em andamento, algum documentário?
João Moreira Salles:
Não, só a revista. O foco agora é a Piauí.

28/9/2009 - 19h21min

João Moreira Salles abre o 22º SET Universitário

Por Rodrigo Pizolotto
Foto: Vanessa Freitas

O 22º SET Universitário foi oficialmente aberto nesta segunda-feira, 28 de setembro, no Auditório da Famecos, com a palestra de João Moreira Salles. O documentarista e editor da revista Piauí falou sobre a sua trajetória profissional, contou detalhes sobre a história recente de sua publicação e falou sobre seus documentários.

Criada em 2006, a Piauí nasceu de uma ideia do próprio Salles, de ler uma revista com textos longos e aprofundados, ao melhor estilo jornalismo literário. Sem formação jornalística, o cineasta buscou profissionais com experiência para a concretização do projeto. A redação da Piauí é constituída assim, de uma mescla de experiência e juventude.

A revista se diferencia de uma maneira muito peculiar das demais publicações da imprensa em geral. Não há colunistas. Mera opinião é considerada pobre pelo editor. Não são feitas reuniões de pauta nem existem editorias pré-definidas. A edição vai se moldando a partir do material pronto. “Não há regras. Nosso leitor deve estar disposto a surpreender-se”, diz Salles. A organização se dá a partir do fato de que todos podem propor matérias sobre qualquer tema. “É uma revista invertebrada. Nunca sabemos o que vamos encontrar em seu interior”, salienta.

Salles preza muito pela saída do repórter para a rua. “Reportagem da Piauí jamais terá dados coletados no Google”, afirma. A parte da edição é feita de forma criteriosa. O idealizador do projeto ressalta que os textos jamais devem ser editados de forma que sejam publicados conforme um padrão pré-estabelecido. Deve haver variedade e versatilidade.

O processo de encontro do público foi muito rápido, segundo o editor. Após a identificação, não houve mais crescimento. “Nosso público é fixo e fiel”, garante. A dificuldade é saber quem é realmente este público. “O anunciante precisa saber para quem está divulgando, mas nós não sabemos para quem escrevemos. A leitura da Piauí envolve a formação do espírito. Portanto, é difícil estabelecer a segmentação correta dos leitores”, expõe Salles.

Na segunda parte da palestra, o tema recaiu sobre o documentarista Salles. Segundo ele, seus documentários tiveram influências maiores de textos jornalísticos do que de filmes. As diferenças e semelhanças entre documentário e jornalismo também foram abordadas. “No documentário, as pessoas filmadas são reais. Existe essa relação com a verdade. Não é ficção”, diz o cineasta. No entanto, ele ressalta que o documentário não é um retrato da realidade. A mentira não é proibida. “O jornalismo e o documentário possuem muitas semelhanças, mas também imensas diferenças. Não faço documentários para dar informação, apenas. Eles envolvem o lado emocional”, conclui João Moreira Salles. O 22º SET Universitário foi aberto em grande estilo.

28/9/2009 - 18h43min

SET Universitário transforma saguão da Famecos

Por Greta Paz
Foto: Bruno Todeschini

O SET Universitário traz, mais uma vez, novidades para a Famecos. Além de proporcionar palestras, oficinas e uma mostra competitiva para os alunos de Comunicação Social de diversas universidades, o evento transforma o prédio 7 da PUCRS. “Está todo mundo no clima do SET”, diz Giovani Giordani, estudante do segundo semestre do curso de Publicidade e Propaganda.

Jogos eletrônicos, como Rock Band, trazidos pelo Opinião College, estande da revista Piauí e exposição do carro 500 da Fiat são algumas das atrações do 22º SET Universitário. “O evento está bem legal. O pessoal é bem diferente”, comenta o aluno de Psicologia Lucas Valladares, que não resistiu à agitação da Famecos e veio conferir.

28/9/2009 - 18h04min

Esgotadas todas as vagas para as oficinas do 22º SET

Por Felipe Baierle

Antes mesmo da abertura oficial do 22º SET Universitário, marcada para as 17h desta segunda-feira, 28, todas as 440 vagas para as 14 oficinas do evento já estão preenchidas.

“A ideia é simples. São coisas muito práticas que não são dadas em sala de aula, e melhor do que isso, por profissionais do mercado. Tem gente que está vindo da Alemanha para dar oficina, tem gente que está vindo do Rio de Janeiro. Isso acaba chamando a atenção" – revela um dos organizadores do evento, o professor de Jornalismo Fábian Chelkanoff.

Além das oficinas, o SET promoverá palestras com renomados profissionais do mercado de comunicação, como o editor da revista Piauí João Moreira Salles e o diretor de núcleo da Rede Globo Jayme Monjardim.

O 22º SET Universitário da PUCRS acontece de 28 a 30 de setembro e tem entrada franca em todas as atividades.

28/9/2009 - 17h55min

Tendências do mercado em debate

Por Vinícius Fernandes

Ocorreu nesta segunda-feira, 28, às 16h na Famecos, a oficina Distingue-se ou extingue-se, palestrada pelo relações públicas formado na Famecos e sócio-diretor da Inside Direct, Gabriel Carneiro Costa. A proposta do encontro, que integra as atividades do SET Universitário, era instigar o público a se ater mais ao mercado por meio do uso de exemplos e experiências que obteve trabalhando pela Inside Direct. “A minha ideia é falar de marketing e mercado promocional como um todo dentro da área não mídia, falar também de mudanças, tendências e inovações através de cases do mercado”, explicou Costa.

Inicialmente, o palestrante expôs slides onde apareciam slogans de marcas conhecidas do público que costumam ter em seus logos promessas de qualidade que muitas vezes, segundo ele, não fazem sentido. Em um segundo momento o tema da oficina passou a ser Comunicação Integrada, o significado deste termo publicitário e a sua importância para o meio.

Foi esta forma expositiva que o Costa encontrou para interagir com o público durante as duas horas da oficina. Segundo a estudante de Publicidade da Famecos Karla Wunsch foram bem produtivas. “Achei interessante as questões que ele levantou, bem no formato de palestra, com exemplos e fazendo comentários tanto bons quanto ruins. Porque geralmente você só vê as pessoas elogiando, ninguém critica, que eu acho que é o que falta.” Sua colega de curso, Luísa Jardim, ressalta que Costa falou bastante sobre o atual mercado. “Eu gostei porque ele revelou como está o mercado atualmente, mas que tudo pode mudar amanhã”.

28/9/2009 - 17h45min

Escrita criativa no 22º SET Universitário

Por Greta Paz
Foto: Bolívar Abascal Oberto

Começou nesta segunda-feira, 28, a oficina de escrita criativa ministrada por Pedro Gonzaga. Escritor e tradutor, Gonzaga une teoria e prática para aprimorar a compreensão e a escrita do texto ficcional. “O trabalho do escritor está na organização do texto”, comenta o autor do livro Cidade Fechada.

Desde o início da oficina, a paixão de Pedro Gonzaga pela literatura ficcional é passada aos olhos dos interessados em aprender. O gosto pela liberdade de criação e o encantamento por obras de outros autores, como Machado de Assis, estimulam a criatividade nos exercícios propostos em sala de aula. “Eu gostei bastante do primeiro exercício. O tempo é até curto para o trabalho que o Pedro faz”, afirma André Moraes, 35 anos, estudante de Publicidade e Propaganda.

Aos que estão aprendendo, o ministrante diz que é preciso soltar a fantasia e não ter medo antes de produzir o texto. É dessa forma que os exercícios se desencadeiam: sem temer antes da criação. Os alunos leem suas produções para compartilhar aquilo que pensam. “Já tive até algumas ideias para passar aos meus alunos”, admite a participante do evento Luciana Feiten, professora de Português e Literatura formada pela PUCRS.

A oficina, que se encerra nesta terça-feira, mostra a técnica de como escrever bem. Para Gonzaga, “o grande mágico é aquele que faz um truque e ninguém entende como ele foi feito. O bom escritor é aquele que escreve uma frase e ninguém entende como ela nos provoca”.

21/9/2009 - 14h

Famecos seleciona as bandas para encerramento do SET Universitário

Até a próxima quinta-feira, dia 24 de setembro, os alunos da Famecos poderão inscrever sua banda para concorrer a uma das 4 vagas para tocar na festa de encerramento do 22º SET Universitário, que ocorrerá no dia 30 de setembro, no Bar Opinião. O anúncio das selecionadas será feito no dia 28 no site do evento. As bandas poderão ter integrantes de fora da Famecos, desde que pelo menos um dos componentes seja estudante da faculdade.

9/9/2008 - 18h

Contagem regressiva para divulgação de palestrantes

A relação de palestrantes do 22º SET Universitário será divulgada nos próximos dias, mas alguns nomes já estão confirmados. João Moreira Salles, documentarista e idealizador e editor da revista piauí, participa no primeiro dia do evento, 28 de setembro. Matinas Suzuki Jr. (revista Serrote), Eduardo Socha (revista Cult) e Tito Montenegro (revista Norte) discutirão sobre jornalismo cultural. O relações-públicas Miguel Cavatorta, proveniente da Argentina, falará sobre o uso da comunicação como ferramenta de gestão em pequenas e médias empresas. O roteirista e diretor Dennison Ramalho, que recentemente trabalhou com José Mojica Marins, o Zé do Caixão, discutirá o audiovisual brasileiro de gênero.

As palestras ocorrerão nas manhãs e noites, entre os dias 28 e 30 de setembro, em vários espaços da PUCRS.

Aguarde a programação completa.

7/9/2009 - 16h

Paula Defaveri faz palestra dia 9 de setembro na Famecos

por Vinicius Fernandes

Paula Defaveri, diretora da Scalinatta Promoções e formada em Relações Públicas pela Faculdade de Comunicação Social (FAMECOS) estará de volta à faculdade desta vez como palestrante. Ela fala para alunos na próxima quarta-feira, 9 de setembro, como parte da programação do +SET, evento que antecede o SET Universitário, e que está programado para os dias 28 a 30 de setembro na FAMECOS.

"Até os anos 90, pesquisas apontavam que o perfil do consumir mudava a cada dez anos. Hoje, esse processo acontece no máximo a cada dois anos", comenta Paula Defaveri. Pensando nisso, que estratégias o profissional deve ter para encarar essa realidade? Com o tema “Você conhece a cara do seu cliente? Uma reflexão sobre a necessidade de reinventar as estratégias de comunicação nas organizações”, Paula estará conversando com os alunos da Famecos no auditório, a partir das 19h45min.

SERVIÇO

O que: Palestra do +SET
Quem: A Relações Públicas Paula Defaveri
Tema: Você conhece a cara do seu cliente? Uma reflexão sobre a necessidade de reinventar as estratégias de comunicação nas organizações
Dia: 9 de setembro, quarta-feira.
Hora: 19h45min
Local: Auditório da FAMECOS

28/8/2009 - 13h45min

Ponto de venda: sonho, consumo e realização

Ponto de venda: sonho, consumo e realização é a palestra desta quarta-feira, dia 2, no segundo +SET.

André Luiz Alves Machado, gerente comercial do Grupo Única (leia-se Grendene, Dell Anno, Telasul e Azaleia) estará na Famecos para conversa com os alunos sobre o tema, depois do seu retorno da Popai, maior feira do mundo do segmento de PDV.

Além de trazer as novidades surgidas em 2009 na feira dos Estados Unidos, André Machado trará muitos materiais para mostrar e distribuir.

Formado em Administração de empresas, ele é especializado em Comércio exterior e pós-graduado em Gestão empresarial pela FGV. Já passou por Segram do Brasil, Pepsi-Cola e Claro.

Como será

  • O ano de 2009, economia, desafio das vendas;
  • Ponto de Venda;
  • Amostras da feira GLOBAL SHOP – Las Vegas (novidades, lançamentos e tendências);
  • NOVA YORK – Visitas a lojas, estudo de marca, loja conceito;
  • Perguntas.  


SERVIÇO

Palestra: Ponto de venda -  sonho, consumo e realização
Palestrante: André Luiz Alves Machado  - gerente de Marketing Telasul
Dia: 2 de setembro (quarta-feira)
Horário: 19h45min
Local: Auditório da Famecos – PUCRS (Av. Ipiranga, 6.681 – Porto Alegre)

27/8/2008 - 8h

Famecos amplia data de inscrição para Mostra Competitiva do SET Universitário

As inscrições para a Mostra Competitiva do 22º SET Universitário, evento promovido pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS, foram prorrogadas até o dia 4 de setembro. O motivo foi a mudança do calendário acadêmico das universidades gaúchas em decorrência da gripe A.

Alunos de cursos superiores de Comunicação e de Cinema e Audiovisual podem participar com trabalhos realizados em atividades curriculares nos semestres de 2008/2 e 2009/1. O regulamento e a ficha de inscrição podem ser acessados no menu superior deste site.

O concurso premia os alunos autores dos melhores trabalhos desenvolvidos em atividades acadêmicas e os professores orientadores. As categorias da Mostra são (a) Jornalismo, com 24 subcategorias, (b) Publicidade e Propaganda, com 11 subcategorias, (c) Relações Públicas, com 12 subcategorias, e (d) Cinema e Audiovisual, com 5 subcategorias.

Todos os trabalhos devem ser acompanhados da ficha de inscrição disponível no site, completamente preenchida. Para as peças da categoria Publicidade, é necessário apresentar um briefing de no máximo 15 linhas, conforme detalhamento constante no regulamento. Os filmes da categoria Cinema e Audiovisual precisam de ficha técnica, conforme o modelo disponível no link de inscrições. Os trabalhos podem ser entregues pessoalmente na Famecos ou postados no correio até 4 de setembro.

23/7/2009 - 8h

Humberto Werneck fala na Famecos sobre qualidade do texto jornalístico

O jornalista e escritor Humberto Werneck fará a palestra “O lugar do lugar-comum – a qualidade do texto no jornalismo” na Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS, em Porto Alegre, no dia 31 de agosto. Werneck, que se celebrizou pela qualidade de sua prosa jornalística e por sua apuração minuciosa, estará na cidade lançando o livro O pai dos burros – dicionário de lugares-comuns e frases feitas (Arquipélago Editorial). A palestra integra a programação do +SET, série de eventos preparatórios ao 22º SET Universitário, que ocorrerá de 28 a 30 de setembro e tradicionalmente reúne na universidade milhares de alunos de Comunicação e de Cinema.

O pai dos burros é o resultado de uma obsessão de mais de três décadas: desde os anos 1970, Werneck coleciona expressões que, de tanto ser repetidas, tornaram-se lugares-comuns ou frases feitas. O uso indiscriminado tornou-as gastas, carentes de significado. Como diz o autor no prefácio, “o que se quer com este livro é apenas recomendar desconfiança de tudo aquilo que, no ato de escrever, saia pelos dedos com demasiada facilidade. Porque nada de verdadeiramente bom costuma vir nesse automatismo”.

Humberto Werneck nasceu em Belo Horizonte, em 1945, e vive em São Paulo desde 1970. Começou a trabalhar como jornalista em 1968 no Suplemento Literário do Minas Gerais. Foi correspondente em Paris do Jornal da Tarde e atuou nas redações de Veja, Jornal da República, IstoÉ, Jornal do Brasil, Elle e Playboy. Escreveu os livros O desatino da rapaziada – Jornalistas e escritores em Minas Gerais (Companhia das Letras/Instituto Moreira Salles, 1992), Chico Buarque – Letra e música (Companhia das Letras, 1989), que foi relançado em versão revista e ampliada em 2006 como Chico Buarque: Tantas palavras, e o volume de contos Pequenos fantasmas (Novesfora, 2005). Em 2008, publicou O santo sujo – A vida de Jayme Ovalle (CosacNaify), pelo qual recebeu o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte como a melhor biografia do ano.

SERVIÇO

Palestra: O lugar do lugar-comum – a qualidade do texto no jornalismo
Palestrante: Humberto Werneck - jornalista e escritor
Dia: 31 de agosto (segunda-feira)
Horário: 19h30min
Local: Auditório da Famecos – PUCRS (Av. Ipiranga, 6.681 – Porto Alegre)

21/7/2009 - 8h30min

Famecos abre inscrições para competição do SET Universitário

As inscrições para a Mostra Competitiva do 22º SET Universitário, evento promovido pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS, estão abertas até 31 de agosto. Alunos de cursos superiores de Comunicação e de Cinema e Audiovisual podem participar com trabalhos realizados em atividades curriculares nos semestres de 2008/2 e 2009/1. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site www.pucrs.br/famecos.

O concurso premia os alunos autores dos melhores trabalhos desenvolvidos em atividades acadêmicas e os professores orientadores. As categorias da Mostra são (a) Jornalismo, com 24 subcategorias, (b) Publicidade e Propaganda, com 11 subcategorias, (c) Relações Públicas, com 12 subcategorias, e (d) Cinema e Audiovisual, com 5 subcategorias.

Todos os trabalhos devem ser acompanhados da ficha de inscrição disponível no site, completamente preenchida. Para as peças da categoria Publicidade, é necessário apresentar um briefing de no máximo 15 linhas, conforme detalhamento constante no regulamento. Os filmes da categoria Cinema e Audiovisual precisam de ficha técnica, conforme o modelo disponível no link de inscrições. Os trabalhos podem ser entregues pessoalmente na Famecos ou postados no correio até 31 de agosto.

O evento
Poucos – ou talvez nenhum outro – evento voltado para alunos de Comunicação e de Cinema do Brasil seja tão longevo e tradicional quanto o SET Universitário. Desde 1988, o campus central da universidade, em Porto Alegre, recebe milhares de estudantes provenientes de diversos municípios gaúchos, Estados, países do Cone Sul e de Portugal que têm a oportunidade de trocar experiências com professores, pesquisadores e profissionais que atuam fora da academia. Todos buscam sintonia com as tendências da área, além de aprofundar as possibilidades de reflexão e de experimentação. A cada edição, ocorrem palestras, oficinas e a Mostra Competitiva. Em duas décadas, tornou-se uma referência para estudantes e profissionais de todo o país. Em 2009, o SET ocorrerá de 28 a 30 de setembro.

Informações
www.pucrs.br/famecos
Telefone: (51) 3320-3500, ramal 4116 (de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h30min)

SET Universitário – Av. Ipiranga, 6.681 – Prédio 7 – Sala 125 – FAMECOS – POA/RS – Brasil – 90610-900
eventosespacoexperiencia@pucrs.br – (51) 3320-3500 - ramal 4116 – de segunda a sexta, das 14h às 18h