Ocorrerão, no dia 1 de outubro, no Centro de Eventos da PUCRS, às 20h, não uma, mas duas palestras que marcam a abertura do SET Universitário deste ano. Rafael Chanin, conhecido como Dr. Fracasso e a dupla Luiza Futuro e Filipe Techera, realizadores da pesquisa Todo Mundo Quem?, serão responsáveis pelo pontapé inicial do evento. Esta será a única grande palestra do 31º SET Universitário, evento que estimula a troca de experiências entre alunos, professores e profissionais das áreas de Comunicação, Artes e Design. Este ano, o foco está nas oficinas, que ocupam os três turnos dos dias 1, 2 e 3 (confira a programação). As palestras abordarão dois temas: a importância da frustração nas nossas trajetórias de vida e a diversidade tecnológica no Brasil.

Rafael Chanin, professor na área de tecnologia na PUCRS e assessor estratégico no TECNOPUC na área de geração de empreendimentos, irá palestrar sobre fracasso. “A gente deve lidar com fracasso e entender que fracassar faz parte do processo de aprendizagem”, conta o profissional. “Esse processo para muitos é doloroso. As pessoas acabam não tentando com esse medo de errar e acabam ficando na mesmice, sem executar coisas novas. Isso acontece por causa do medo da exposição e do fracasso”, explica.

O professor comenta que, com o atual mundo globalizado, é o momento perfeito para tentar novos desafios sem medo de fracassar: “Trazendo aquele paralelo clássico da bicicleta: a gente só aprende a andar de bicicleta subindo nela e caindo, mas é o único jeito”.

Luiza Futuro e Filipe Techera, pesquisadores culturais, irão tratar sobre o projeto “Todo Mundo Quem?”, uma investigação sobre os mais de 100 milhões de brasileiros fora das redes sociais. Eles planejam mostrar que o Brasil possui uma diversidade tecnológica e que há um comportamento emergente que questiona a maneira que as pessoas estão se relacionando.

“Acredito que os aprendizados do projeto permitem vislumbrar fricções entre a tecnologia e as relações humanas”, conta Luiza. “Por isso, o conteúdo que trazemos desafia a desenvolver o pensamento sobre novas possibilidades narrativas e estéticas para o conceito de conexão”, complementa.

Os pesquisadores irão ensinar como construir uma pesquisa com uma abordagem que chamam de pós-contemporânea. “Desde como elaborar o problema, em como se relacionar objetivamente e subjetivamente com ele. E de como construir um pensamento que está comprometido com comportamento e fenômeno social atual e não somente uma narrativa descritiva da pesquisa”, explica Luiza.

 

Serviço:

Dr. Fracasso e “Todo Mundo Quem?” – abertura do 31º SET Universitário
1º de outubro, 20h
Centro de Eventos da PUCRS – Prédio 41
Aberto ao público, grátis

    Patrocínio

    Apoio

    Apoio

    Realização